segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Carta da ACI sobre a eleição no Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina

Prezados (as) colegas jornalistas,
A Associação Catarinense de Imprensa/Casa do Jornalista, entidade que congrega profissionais da área de comunicação de todo o Estado de Santa Catarina, vem a público para cumprimentar o novo presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Valmor Fritsche, e demais integrantes da Chapa “Vamos Juntos!”, eleitos no último dia 26 de agosto para dirigir a entidade pelos próximos três anos.

Nós, diretores da ACI/Casa do Jornalista, que somos entusiastas do movimento associativo e sindical e primamos pelo respeito mútuo, assistimos com orgulho e grande satisfação a uma verdadeira demonstração de maturidade e elevado espírito democrático protagonizada pelos dois candidatos ao longo do referido processo eleitoral. Não há dúvidas de que os verdadeiros beneficiados serão os próprios filiados, que, embalados pelos ares da renovação, sentir-se-ão ainda mais dispostos a colaborar e participar da construção de um sindicato ainda mais forte e coeso.

Tudo isso tem um significado todo especial, sobretudo nesta quadra da história, onde cada vez mais o jornalismo se consolida como importante instrumento de realização da cidadania e proteção do Estado Democrático de Direito, tornando-se imprescindível no dia a dia dos cidadãos. Razão por que é fundamental que as nossas instituições de classe estejam não imbuídas dos melhores propósitos, mas, principalmente, preparadas para enfrentar os desafios do mundo contemporâneo.

Por fim, a Associação Catarinense de Imprensa/Casa do Jornalista, entidade mater da comunicação catarinense - e que inclusive gerou o próprio Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina -, coloca-se, como sempre esteve, à disposição para colaborar em novos projetos que tenham como foco o fortalecimento das nossas instituições, a valorização dos nossos profissionais e o bem-estar da sociedade como um todo.

Atenciosamente,
Diretoria da ACI/Casa do Jornalista

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Chapa 2 vence eleições do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina

Parte dos membros da direção eleita do Sindicato dos Jornalistas
A Chapa de oposição VaMOS Juntos!, encabeçada pelo jornalista Valmor Fristche, venceu as eleições do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Após dois dias de votação pela internet, a chapa 2 conquistou 62,81% dos votos válidos (223) contra 37,18% da chapa de situação (132 votos). Foram contabilizados ainda três votos em branco e três votos nulos.

Apesar do processo ter ocorrido e maneira conturbada - as senhas para votação pela internet foram enviadas com atraso, e foram parar no lixo eletrônico dos eleitores - a mobilização dos membros e apoiadores da chapa 2 foi suficiente para garantir que 65% dos eleitores aptos votassem.

"Daqui para a frente, nosso sindicato terá outro astral.Vamos juntar forças para fazer uma história diferente, temos capacidade para fazer um trabalho muito bom", declarou o presidente eleito.

Mais: Veja o perfil de cada um dos 30 membros da direção eleita do Sindicato dos Jornalistas no Facebook.

Em nome de todas e todos os integrantes, a coordenação da chapa 2 agradece o voto de confiança dos jornalistas catarinenses e de cada um e cada uma que divulgou, apoiou e participou do processo eleitoral. Daqui para frente, não existe mais Chapa 1 nem Chapa 2, mas sim, a categoria dos jornalistas.

Esperamos que nos próximos três anos à frente do sindicato, o sindicato, de mãos dadas com todos os jornalistas, possas trazer muitas vitórias para os trabalhadores e para o movimento sindical.

VaMOS Juntos!
Coordenação da Chapa 2
26 de agosto de 2011



GanhaMOS Juntos

Com 223 votos a 132, a Chapa 2 - VaMOS Juntos venceu a eleição da nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Agradecemos os votos e a confiança de todos. VaMOS Juntos fazer o Sindicato dos Jornalistas para os Jornalistas!!!










Vergonha: dezenas de jornalistas são impedidos de votar na eleição do sindicato

A Direção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina é responsável por uma agressão ao direito de quase uma centena de jornalistas que até ao meio dia do segundo dia de votação (26) ainda não puderam exercer seu direito de escolher a NOVA diretoria da sua entidade. Acuado, pelo número de reclamações, o presidente da Comissão Eleitoral, indicado pela atual diretoria, está incomunicável e ausente da sede do SJSC.

Foi a atual direção que IMPÔS a votação exclusivamente pela internet. Foi a atual direção que IMPÔS a empresa que montou esse sistema de votos pela web, absurdamente dirigido e falho. A atual diretoria do SJSC é a única responsável por todo esse constrangimento imposto aos jornalistas catarinenses.

A coordenação da campanha da chapa de Oposição - VaMOS Juntos - sugere a todos os colegas que foram violentados que protestem e informa a todos que irá tomar as medidas legais cabíveis.

Santa Catarina, 26 de agosto de 2011.

Chapa VaMOS Juntos

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Eleições dos jornalistas: desorganização e risco à democracia

Senha chegou fora do prazo e foi direto para a Caixa de Spam
O conturbado processo eleitoral do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) corre o sério risco de manipulação e impedimento ao voto dos eleitores aptos. Por imposição da atual direção do sindicato, o processo ocorrerá pela internet. Logo de cara, por desorganização da atual direção,  35 jornalistas APTOS AO VOTO E EM DIA COM A TESOURARIA  foram excluídos do colégio eleitoral. A desculpa para tanto é de que o sindicato não possuía o CPF, a data de nascimento ou o e-mail atual do sindicalizado, para que ele pudesse receber a senha.

As senhas, que seriam enviadas pela internet até no máximo dia 24 de agosto, estão chegando hoje, dia 25. Para piorar, as senhas e o e-mail com as orientações  de como votar estão sendo direcionadas para a caixa de spam.

"Cabine Eletrônica" não traz o número das chapas. Se você assinalar o voto errado e clicar em "voltar" 
no seu navegador, ele será anulado. Sistema de primeira para confundir os jornalistas. 
Outro caso interessante: a cabine eletrônica não contem o número das chapas! Isso mesmo, na hora de escolher o voto, você não escolhe entre Chapa 1 e Chapa 2. Escolhe entre "Sindicato mais forte é sindicato presente"  e "Vamos Juntos". E se você assinalara errado e clicar em "voltar" no seu navegador ou no seu teclado, seu voto será anulado!  A presença do número das chapas na urna eletrônica havia sido deliberada em reunião da comissão eleitoral.

O engraçado é que esta é a primeira vez que um e-mail do sindicato chega para mim na caixa de spam. E vejam, era justamente o e-mail com as instruções sobre como votar pela inernet! Coincidência? 

Capa do Site do Sindicato, às 8h30:
nenhuma chamada indica onde clicar para votar
É HORA DE FICAR ATENTO E DE FISCALIZAR O SEU VOTO. Muita gente pode deixar de votar porque não vai ver sua senha na caixa de Spam. Por isso, colegas, temos que nos mobilizar e garantir a lisura do processo eleitoral. Repasse esse recado, avise os colegas e vamos garantir que todos possam votar e externar sua opinião sobre os rumos do sindicato.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Chapa 2 faz roteiro nas redações do Sul do estado

Redações dos veículos de comunicação nos municípios de Criciúma e Tubarão na região Sul do estado foram visitadas por integrantes da Chapa 2, na terça-feira (23). O candidato a presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Valmor Fritsche, e a colega de chapa Janine Koneski de Abreu (Comissão de Comunicação e Eventos) apresentaram as propostas da oposição nos jornais Diário de Notícias, Jornal da Manhã, A Tribuna, na sucursal do Diário Catarinense, da RBS TV e da RIC em Criciúma. Os jornalistas do Sul pedem que durante a nova gestão o SJSC se aproxime mais da categoria na região. Os colegas reclamaram da falta de informações sobre o trabalho do Sindicato, o que, segundo eles, justifica o baixo número de sindicalizados nas redações.

No Jornal da Manhã, os colegas da redação se reuniram para conhecer as ações previstas pela Chapa 2 em benefício da categoria. Uma das principais questões levantadas foi a necessidade de reajuste do piso salarial dos jornalistas. Os colegas do Sul observaram também que é muito pequeno o número de sindicalizados na região. Valmor Fritsche explicou que a intenção da Chapa 2 é que em três anos os jornalistas catarinenses possam recuperar o piso salarial da categoria, hoje o quarto pior do País. “Nosso piso precisa se equiparar, no mínimo, ao praticado em Alagoas, que é de R$ 2,3 mil”, explicou Valmor. “Para isso, temos que mobilizar os jornalistas numa grande campanha salarial”.

O candidato da oposição esclareceu ainda que a expectativa é de que o SJSC possa instalar um escritório no Sul do estado para atender as demandas da classe na região. “Faremos uma assembleia na região para que vocês possam escolher os seus delegados, representantes do Sindicato junto aos colegas”, garantiu. “Não estamos nomeando delegados antes da eleição porque a queremos que a escolha seja dos jornalistas dos municípios do Sul”.

No A Tribuna vários colegas também aproveitaram a presença dos integrantes da Chapa para tirar dúvidas individuais, assim como na redação do recém-lançado Diário de Notícias. Valmor Fritsche foi entrevistado pela repórter Keley Alves de A Tribuna. Ainda em Criciúma na visita à RBS e DC no Morro Cequinel, a comitiva da Chapa 2 conversou longamente com os colegas sobre a conjuntura da comunicação do Estado e questionou a situação dos cinegrafistas da tevê, já que eles têm direito ao registro de jornalista como repórteres cinematográficos.

Em Tubarão foram visitadas as redações do Notisul e do Diário do Sul, onde mais uma vez ficou comprovada a ausência do Sindicato na região. “Vamos intensificar a comunicação com os profissionais de Tubarão, o que vai favorecer o crescimento no número de sindicalizados na região.

Atenção: confira os procedimentos para votar na Chapa 2

A Comissão Eleitoral divulgou no final da tarde desta quarta-feira, dia 24, os procedimentos para a votação nesta quinta e sexta-feiras.

Os sócios do Sindicato dos Jornalistas aptos a votar receberão por e-mail sua senha -única, individual e intransferível - para acessar a cabine virtual das eleições para a nova direção da entidade.

A votação começa às 8h desta quinta, dia 25, e termina às 19h de sexta, dia 26.

Na página de votação, que será acessada na página do SJSC (www.sjsc.org.br), o eleitor vai seguir os seguintes passos:

1 - preencher seu CPF apenas com números;

2 - preencher espaço para senha recebida apenas com letras maiúsculas (CAIXA ALTA);

3 - responder à pergunta “chave” selecionando dados da caixa, utilizando somente o mouse;

4 - digitar o código captcha, exatamente como apresentado no lado esquerdo do campo;

5 - clicar o botão para acesso à cabine de votação.

Após entrar na cabine virtual, aparecerão quatro botões indicando voto para as chapas - 1 ou 2, com seus respectivos candidatos a presidente, ou voto branco ou voto nulo.

Após a escolha do candidato, virá a tela para confirmação do voto. Caso o eleitor queira voltar para mudar seu voto, basta clicar no botão "QUERO SELECIONAR NOVAMENTE", em NENHUMA HIPÓTESE deve clicar no botão "voltar" pois, se fizer isso, o voto será invalidado.

Após confirmação do voto, será exibida a tela de agradecimento com botão para saída da cabine.


Recomendações importantes

Além dos procedimentos encaminhados pela Comissão Eleitoral, a Chapa 2 recomenda ao colega eleitor:

- De preferência, vote na quinta-feira, dia 25, no horário comercial;

- Leia com atenção as instruções de votação passo a passo;

- Não desista na primeira tentativa de votar. Em caso de erro, repita a operação;

- Dúvidas, dificuldades e denúncias sobre o processo eleitoral ligue para os telefones da Chapa 2:

(48) 9987-4477 (Tânia Andrade)
(47) 9192-9991 (Leonel Camasão)
(49) 9121-9200 (Veruska Taska)

Seja fiscal do seu voto!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Incúria da secretaria do SJSC impede exercício do direito ao voto

A Comissão Eleitoral divulgou nesta segunda-feira (22) uma nova relação de aptos ao voto. Em comparação com a lista dos aptos divulgada anteriormente, 35 jornalistas foram excluídos. Todos estão em dia com suas obrigações com a tesouraria da entidade, mas não atualizaram os e-mails, no prazo indicado, e por essa razão não poderão votar nos dias 25 e 26.

Alguns são aposentados, gente que construiu a história da profissão e do Sindicato, mas que não poderá exercer seu direito de escolher a nova diretoria da sua entidade. Muitos outros teriam ficado de fora se não fosse o trabalho da Chapa 2, que nos últimos dias fez um grande esforço para atualizar o e-mail do maior número possível de jornalistas.

A escolha da eleição EXCLUSIVAMENTE pela internet e a tremenda desorganização da secretaria do SJSC, nos últimos anos, desrespeitam um direito elementar dos sindicalizados e maculam o processo eleitoral.

Preocupada com esse e uma série de outros problemas em todo processo, a Chapa 2, de Oposição, alerta a todos os jornalistas que não deixem de votar e que, principalmente, sejam os fiscais de seus próprios votos.

Esqueceram da OTAN

Curiosa a carta aberta distribuída na madrugada desta terça-feira (23) pela chapa do continuísmo para o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC). Nela há um recurso retórico muito comum entre os políticos que é o de desviar a atenção de uma denúncia séria para um elemento secundário.

De repente, não mais que de repente, a chapa que defende um TERCEIRO mandato consecutivo para o mesmo presidente acha que solicitar ISONOMIA no tratamento no noticiário produzido pelo Sindicato é censura. Pior, pedir EQUILÍBRIO na cobertura da eleição é, pra eles, censura prévia. Diga-se de passagem, que apenas recorreu-se à Justiça depois de vários exemplos de manipulação, omissão e tendenciosismo nas matérias relativas ao processo eleitoral. A própria assessora de imprensa da entidade, que tem o salário pago por todos os associados, e por essa razão deveria pelo menos comportar-se com uma recomendável isenção, não esconde de ninguém, especialmente nas redes sociais, sua opção eleitoral.

Os patrões reagiram da mesma forma truculenta quando os jornalistas apresentaram a proposta de constituir um Conselho Federal dos Jornalistas, em 2004. Até mesmo a exigência de uma formação universitária específica para o exercício do Jornalismo é identificada como censura pelo baronato da mídia. Para uma certa elite brasileira, exigir regulação e compostura é sempre relacionado com controle e censura. Não cola mais!

Mas ao procurar canhestramente desviar o assunto, a atual diretoria do Sindicato e a Chapa 1 propositadamente evitam responder aos questionamentos que de fato motivaram o recurso à Justiça, que até o momento só se manifestou liminarmente:

1 - Por que o Sindicato incluiu na lista de associados no dia 10 de junho (dia da assembleia que elegeu a comissão eleitoral) uma jornalista que não era regularmente sindicalizada? Aliás, sequer era registrada no Ministério do Trabalho. A oposição tem provas da falsidade ideológica. E porque permitiu que outra pessoa que sequer constava da lista de associados votasse?

2 - Por que o Sindicato insiste tanto em fazer a eleição exclusivamente pela internet – e inclusive “definiu” tal processo antes mesmo de consultar a categoria na assembleia do dia 10 de junho - quando todos os principais especialistas não aconselham o processo por motivos de segurança?

3 - Por que o Sindicato não realizou um processo licitatório para escolher a empresa para organizar o sistema de votação na web e impôs a mesma empresa que já presta serviços para a Entidade há anos?

4 - Por que o Sindicato não aceita a auditoria do Laboratório de Segurança em Computação da UFSC?

5 - Por que o Sindicato adotou critérios diferenciados para cobrar mensalidades atrasadas dos sócios? Há eleitor que não paga desde 2008. A oposição tem provas.

6 - Por que a Chapa 1 inclui entre “seus” candidatos, nomes para assumirem delegacias sindicais (situação não prevista no estatuto), inclusive jornalistas que não são sindicalizados?

7 - Por que o candidato ao TERCEIRO mandato na presidência não se licenciou do cargo para fazer a campanha para permanecer na presidência NOVE anos?

Todas essas respostas podem ser encaminhadas também para a ABI, OAB, FENAJ, FIJ e se quiserem, até mesmo pra OTAN. Mas seria de bom tom se, no mínimo, essas questões fossem respondidas com seriedade à categoria.

Sérgio Murillo de Andrade, Vera Gasparetto e Leonel Camasão, jornalistas, à espera das respostas do nosso Sindicato

Não tem tempo ruim: Redações do Morro da Cruz e Palácio do Governo recebem Chapa 2



Na tarde de ontem, a Chapa 2 esteve no Morro da Cruz, em Florianópolis, visitando as redações. Durante a visita às TVs, candidatos da Chapa 2 se surpreenderam ao encontrar repórteres cinematográficos devidamente registrados, porém, desfiliados do Sindicatos dos Jornalistas de Santa Catarina, sem motivo aparente. A chapa se comprometeu em averiguar cada situação e, se for o caso, regularizar a sindicalização desses colegas.

Inúmeros foram os apoios, questionamentos e pedidos para que o Sindicato volte a se aproximar das redações. A grande maioria dos colegas não está sindicalizada, embora a mensalidade seja descontada em folha, porque não vê sentido em participar de um Sindicato que não está junto da categoria. A Chapa 2 entregou o Programa para o mandato e se comprometeu em dar a atenção que os profissionais merecem.

O candidato a presidente, Valmor Fritsche esteve acompanhado das candidatas a vice-presidente, Valci Zucoloto, da 1ª Secretária, Vera Gasparetto, da Titular da Comissão de Comunicação e Eventos, Janine Koneski de Abreu, do suplente da Executiva Hermínio Nunes e da apoiadora Mylene Margarida. Eles estiveram na RBS TV, RIC, Record News, RBS Rádio e na redação do Jornal Notícias do Dia.

Veja fotos das visitas e das conversas com os colegas.








Palácio do Governo – A Chapa 2 visitou a Assessoria de Comunicação do Palácio do Governo de SC, onde mais uma vez foi surpreendida pelo grande distanciamento e ausência da atual direção do Sindicato com a categoria. Lá se conta nos dedos das mãos o número de aptos a votar nas eleições. Valmor Fritsche dialogou com os colegas e num encontro casual com o deputado federal Jorginho Mello, garantiu o compromisso do parlamentar em votar a favor da PEC do Diploma no Congresso Nacional.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Confiança e afeto

Conheço Valmor Fritsche de muito tempo. Tive a grata oportunidade de conviver com o Valmor diariamente durante cerca de um ano. Me acolheu em seu local de trabalho, onde me deu toda a liberdade para que pudesse desenvolver meus frilas cotidianos. Da convivência surgiu uma amizade sincera, sem interesses. Atento, Valmor bebia sutilmente na minha experiência, fruto da quilometragem de vida que eu tinha, bem maior que a sua.

Acabamos sócios em um jornal, o Costa Leste. Durou três números. Jornalista, da nossa estirpe, não consegue ser comercial. Mas de tudo isso tirei grandes ensinamentos. Na área técnica, aprendi a usar o Page Maker com o Valmor. Um editor de texto que dominei e vivi muito tempo de editoração.
Mas de tudo que aprendi com o Valmor, o que mais ficou e me marcou foi a sua conduta como profissional e como ser humano. Extremamente correto na forma de proceder profissionalmente e com um profundo cuidado com o sentimento alheio. Uma pessoa do bem. Correto.

Sem ideologias ou outras cartilhas limitantes, Valmor sempre se mostrou aberto ao aprendizado. E aprendeu. Nos encontramos há poucos dias na Kibelândia, no centro. Sentou à minha mesa, conversamos, bebemos e nos alegramos por estarmos juntos novamente. Senti, de novo, aquela sensação de confiança e afeto que somente uma pessoa honesta consegue passar. É o mesmo Valmor que havia me acolhido anos atrás.

Quem investir nesta figura não perde a viagem!

Sergio Rubim, jornalista

Leia mais mensagens de apoio à Chapa 2.

Medida quer garantir lisura e democracia na eleição do Sindicato

A Chapa 2 – VaMOS Juntos - ingressou com uma ação judicial no dia 10/8, com o objetivo de fazer cumprir o estatuto do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) no que diz respeito à democracia e lisura do processo eleitoral,  em curso desde a Assembleia Geral do dia 10 de junho, quando foi escolhida a comissão responsável pela eleição.

Depois de muitas tentativas de negociações para contornar várias medidas tendenciosas, a Chapa 2 viu na Justiça a única saída para repor o processo em condições de igualdade. O processo solicita o seguinte:
 
1)    Que seja aberto edital para contratação de empresa para elaborar o processo eleitoral eletrônico, pois a empresa contratada já presta assessoria a entidade sindical, faz manutenção do site da entidade e possui contrato de prestação de serviço, admitida pela atual gestão, antes da composição da Comissão Eleitoral, desrespeitando o Edital de Convocação das eleições e o próprio Estatuto da entidade;

2)    A suspensão do processo eleitoral, adotando-se a auditoria que seja referência e que dê a segurança pretendida por ambas as Chapas, para repor a confiabilidade do processo eleitoral e garantir à Chapa 2 a possibilidade de acompanhamento e fiscalização do voto e da apuração do mesmo;

3)    Seja aberto prazo para publicação e contratação, através de edital dos serviços de aluguel de servidores;

4)    Em última hipótese, no caso de impossibilidade de atender os requerimento citados, e para preservar a transparência e  acompanhamento de todos os dados do processo eleitoral, seja  realizado o processo pelo meio tradicional, ou seja, pelo meio físico, com a utilização de urnas, voto em papel, fiscais, mesários, mesa coletora e mesa apuradora de votos, etc.

Quais os motivos que levaram a desconfiança da transparência na condução da organização da eleição?

O processo inicia de forma suspeita, com o presidente do SJSC convocando uma a assembleia geral para decidir sobre o processo eleitoral e na mesma matéria adiantando que a eleição será pela internet. Pra que a assembleia?

Realizada no dia 10 de junho, com diversas pessoas presentes em condição irregular, a diretoria aprovou a eleição pela internet e fez a maioria dos integrantes da Comissão Eleitoral. Nesse dia, participou e votou nas propostas da diretoria uma pessoa que sequer tinha registro de jornalista naquela data, mas já constava da lista de sócios, assinada por todos os presentes, inclusive ela. Documento emitido pela Superintendência Regional do Trabalho (SRT) garante que a mesma é registrada a partir de 15.06.2011, cinco dias depois da assembleia. O registro é condição essencial para sindicalização. Isso, em bom português é: FALSIDADE IDEOLÓGICA.

A partir desse fato a Chapa 2 fez um trabalho de conferência da lista de associados, identificando uma série de problemas, como nomes de colegas falecidos, critérios distintos de cobrança de mensalidades atrasadas, exclusões e inclusões injustificadas, dados desatualizados, etc. A atual direção do Sindicato no decorrer dos seus SEIS ANOS DE MANDATO não zelou pelo seu principal patrimônio: a lista de associados que dever ser a ponte com a categoria. Prova disso é que às vésperas da votação pedem para os aptos a votar atualizarem seu CPF, data de nascimento e e-mail e sem isso o sócio não poderá acessar a “cabine virtual”.

Por que a polêmica sobre a eleições exclusiva pela internet?

As medidas tomadas pelo sindicato para viabilizar a eleição pela web reafirmaram as preocupações da Chapa 2. Antes mesmo de a Comissão Eleitoral realizar a primeira reunião, a empresa responsável pelo sistema já estava definida e contratada por R$ 4.275,00. Curiosamente é a mesma empresa que há anos já presta serviços para o SJSC.

Isso é um desrespeito ao Edital de Eleições e aos termos do art. 41 do Estatuto do Sindicato: Art. 41º - Os atos preparatórios, as normas para registros de chapas e candidatos, a instalação e o funcionamento das mesas coletoras, o processo eleitoral, a apuração dos votos e os recursos de impugnações às eleições obedecerão a legislação em vigor, este estatuto e ao regulamento eleitoral. O item 3 do regulamento eleitoral diz que “A comissão eleitoral será responsável pela preparação, divulgação, realização de eleição sindical, para Diretoria e demais órgãos descritos no artigo 19 deste estatuto...”

Que medidas poderiam garantir a segurança do processo eleitoral?

Os estudos realizados até o momento ainda não permitiram apontar um sistema de votação pela internet 100% seguro. Referência nacional de pesquisas nessa área, e com experiência em auditagem de eleição, a Comissão Eleitoral procurou o LabSEC-UFSC (Laboratório de Segurança em Computação), que apresentou uma proposta para realizar a auditoria independente e qualificada de todo o processo. Surpreendendo a todos, a diretoria do Sindicato impõe uma outra proposta. Ou seja a empresa que faz o sistema é indicada pela diretoria, a auditoria da eleição também é indicada pela diretoria. Não há menor boa vontade de buscar uma mediação com a oposição.

A meta é a transparência

O objetivo da Chapa 2 é garantir a máxima transparência do processo eleitoral  e ter a condição de certeza no que diz respeito ao acompanhamento do pleito, distribuição das senhas, armazenamento dos dados.

Entendemos que a Comissão Eleitoral deve agir desinteressadamente, de forma isenta as correntes e forças políticas, como prevê o Estatuto, que rege a vida do nosso Sindicato.

Reparada essa situação, poderemos continuar -  com confiança – percorrendo os locais de trabalho e as regiões conversando com a categoria, dialogando, apresentando propostas e garantindo o debate de ideias, para que nas urnas se reflita o real desejo de cada jornalista que depositará sua esperança no tipo de sindicato que quer para as tocar as lutas  da categoria e da classe trabalhadora em Santa Catarina.

Último dia para atualizar seus dados!

Colegas jornalistas
As eleições para a nova direção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina estão se aproximando. A votação será pela internet, e uma senha será enviada para o seu e-mail no dia 24 de agosto.

Por isso, é de fundamental importância que você atualize seus dados ainda hoje junto ao sindicato. Envie seu número de CPF, data de nascimento e e-mail atualizados para diretoria@sjsc.org.br. Sua senha será gerada a partir desses dados.

Dois caminhos estão nas mãos dos jornalistas: a permanência da mesmice, de um sindicato ausente e que só corre o estado em época de eleição, ou de um novo sindicato, que mescla experiência de antigas gestões com a renovação necessária para os novos dilemas da profissão.

Atualize seus dados e nos dias 25 e 26, vote Chapa 2.
Vote Vamos Juntos - O Sindicato dos Jornalistas para os jornalistas

domingo, 21 de agosto de 2011

“Quero mudar meu sindicato e para mudar, só trocando as figurinhas reinantes”

Reproduzimos abaixo o manifesto do jornalista Aderbal Machado, publicado por ele no Facebook:

Aposentado e autônomo na profissão, poderia ficar fora do sindicato, no conforto de uma carreira que já cumpri, passando por todos os postos possíveis em SC, onde muitos pretendem chegar, por ambição natural. Fui colunista estadual (A Notícia e JSC), fui editor de telejornalismo estadual (RCE), fui âncora de telejornal, tive jornal impresso, fui e sou apresentador de rádio, assessor de imprensa fui e sou - mas disso não mais dependo exclusivamente. No entanto, pela primeira vez, resolvi investir no que, creio, deva ser o terreno ideal para legitimação e valorização da categoria. Cansei de ver inoperância, fisiologismo ideológico, desorganização, desagregação, desatenção sindical para com colegas, principalmente do interior. Como disse, posso ficar fora disso. Até gostaria, mas não quero. Quero mudar meu sindicato. Afinal, se o pago, é pra participar. E se é pra participar, é para brigar por melhorias. Pra mudar, só trocando as figurinhas reinantes. Chapa 2, para alternância saudável. Até para, depois de um mandato, termos um real parâmetro de comparação. Porque, como querem que seja, no caminho de um terceiro mandato consecutivo, comparar com o que e com quem?


Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Chapa 2 em campanha em Joinville e Jaraguá do Sul

Chapa 2 na Prefeitura de Joinville

A sexta-feira foi de mais visitas e debates com a categoria dos jornalistas nas cidades de Joinville e Jaraguá do Sul. O candidato a presidente pela Chapa 2, Valmor Fristche, acompanhado pelos candidatos Leonel Camasão (secretário geral) e Sérgio Murillo (Comissão de Sindicalização e Registro) visitaram cinco locais de trabalho nas duas cidades.

As visitas iniciaram logo pela manhã, na Prefeitura de Joinville, onde a chapa 2 recebeu apoio dos jornalistas lotados na Secretaria de comunicação de Joinville e da Fundação Ippuj.

Na sequência, os candidatos visitaram a empresa EDM Logos, uma das maiores agências da região norte do estado. Os jornalistas da empresa puderam tirar dúvidas e conversar sobre o processo eleitoral com os candidatos.Após concluir o roteiro de visitas em Joinville, a campanha seguiu rumo à Jaraguá do Sul.

Valmor fala a jornalistas do Correio do Povo
Os jornalistas de O Correio do Povo - jornal mais antigo em atividade de Santa Catarina - relataram aos membros da Chapa que a atual direção do Sindicato só aparecem no período eleitoral, e desmentiram o mito de "sindicato presente no interior".

"Mesmo tendo dois dirigentes na cidade - um diretor da Executiva e um delegado regional - os jornalistas do Correio do Povo relataram que a atual diretoria do sindicato simplesmente não aparece na redação desde a última eleição", afirma Camasão, que é ex-funcionário do jornal.

Debate na prefeitura e mais redações

Os candidatos da Chapa 2 continuaram o roteiro de visitas, e seguiram para a Prefeitura de Jaraguá do Sul. Todo o corpo-a-corpo com os jornalistas do local foi acompanhado de perto por um candidato da Chapa 1, que trabalha no órgão. Mesmo assim, os candidatos da Chapa 2 puderam reencontrar ex-colegas de faculdade e de trabalho, promovendo um pequeno debate sobre as posições de ambas as chapas.
Boa conversa com jornalistas do AN Jaraguá

Depois da Prefeitura, Valmor, Leonel e Sérgio visitaram a sucursal da RBS em Jaraguá do Sul, que abriga tanto os jornalistas do AN Jaraguá quanto da RBS TV. Lá, os jornalistas mais uma vez demonstraram dúvidas e preocupações sobre a segurança do processo eleitoral eletrônico.

Depois de uma boa conversa no AN Jaraguá, a Chapa 2 finalizou o roteiro com uma visita ao Jornal Folha SC, distribuindo materiais e conversando com os colegas.

Compromisso com a ética e com a defesa da profissão

Participei desta gestão no primeiro mandato e de outras diretorias. Apoio a Chapa 2 por ser a mais comprometida com a ética, com a defesa da profissão em suas várias frentes de trabalho e com a luta permanente pela união dos jornalistas.

Beth Nogueira, da Conexo Comunicação e Design

Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2.

Sindicato ausente: esta a situação observada em Lages pelas visitas da Chapa 2

As candidatas da Chapa 2 Valci Zuculoto (vice Presidente) e Tânia Machado de Andrade (conselheira junto à FENAJ) visitaram Lages na quinta-feira, dia 18, e conversaram com a maioria dos profissionais que exercem o jornalismo naquele município. Estiveram na RBS/DC, Correio Lageano, jornal O Momento e no setor de comunicação da Prefeitura. Fizeram questão de manter contatos ou visitar inclusive locais de trabalho onde, embora existam profissionais em atuação, infelizmente eles não souberam ou não foram avisados em tempo sobre como participar do SJSC e das suas eleições. A Chapa 2, sim, está visitando não só os lugares que têm votos, mas procurando conversar e conhecer mais a fundo a situação de todos os jornalistas de Santa Catarina.

Em Lages, a Chapa 2 mais uma vez constatou uma triste realidade, que tem sido recorrente em grande parte das suas visitas aos jornalistas catarinenses: a atual direção do sindicato tem estado ausente, pois nada fez ou nem tomou conhecimento de vários problemas enfrentados pela categoria naquele município. Evidência desta situação é que uma cidade com o tamanho, a importância de Lages e com tantos profissionais, conta com menos de 10 na lista de sindicalizados aptos a votar. Mesmo nos locais de trabalho onde há candidatos da outra chapa, os jornalistas não estão sindicalizados ou não estão aptos a votar. Qual será o motivo para a atual direção do sindicato não ter buscado aumentar o número de sindicalizados ou de profissionais em dia em Lages?

Além de jornalistas que até agora não foram orientados pelo SJSC sobre como votar, em Lages há também profissionais em condições de obter o registro, de se sindicalizarem ou se colocarem em dia, mas que não foram estimulados a resolver sua situação ou sequer receberam informações para isso.

Nas visitas e contatos feitos em Lages, a Chapa 2 foi bem recebida pelos jornalistas e todos ouviram com atenção as nossas propostas, com destaque para as que se destinam a agregar mais a categoria em torno do Sindicato, melhorar a comunicação com todos os profissionais do Estado e criar estruturas físicas do SJSC para atender melhor os associados em outros municípios além da capital. Também se interessaram bastante pelos nossos compromissos em promover ações para a capacitação e atualização profissionais por meio de cursos, palestras, seminários, convênios para estudos, entre outros, em buscar resolver e esclarecer questões sobre o registro, a formação e a sindicalização, em dar melhor atendimento aos jornalistas do serviço público.

Enfim, os jornalistas que atuam em Lages se mostraram satisfeitos em ter a oportunidade de conversar sobre suas necessidades e expectativas – alguns há muito tempo não recebiam uma visita para debater questões sindicais e da profissão. E a Chapa 2 esclareceu que não visita locais de trabalho apenas em período de eleição, para pedir voto. Assim que for eleita, a “VAMOS JUNTOS” voltará a Lages para iniciar um trabalho de tornar o Sindicato efetivamente presente em todos os locais de trabalho, em contato com todos os jornalistas do município.

Sucursal RBS/DC

Conversa com colegas do Correio Lageano.

Colegas do Correio Lageano receberam o informativo da Chapa 2.

A redação do jornal O Momento também recebeu a visita da Chapa 2.

*Os candidatos Chapa 2 viajam pelo Estado em campanha com recursos dos seus próprios bolsos e de doações dos seus apoiadores.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Chapa 2 visita redações em Joinville

Candidatos da Chapa 2 na Redação de A Notícia...
Os candidatos da Chapa 2 - Vamos Juntos! estiveram na tarde desta quinta-feira em roteiro de campanha na cidade de Joinville. Valmor Fristche (presidente), Leonel Camasão (Secretário Geral), Fabrício Porto (Suplente da Executiva) e Sérgio Murillo (Comissão de Sindicalização e Registro) iniciaram o corpo-a-corpo de campanha pela redação do jornal A Notícia, onde distribuíram os materiais da chapa e conversaram com os colegas sobre as eleições.

Saindo do AN, os candidatos seguiram para a redação do Notícias do Dia, onde foram muito bem recebidos pelos colegas. Jornalistas posaram para fotos ao lado dos candidatos da chapa 2 e mostraram preocupação com a segurança do processo eleitoral, que será realizado pela Internet.
... Notícias do Dia...

Visita também nas emissoras de TV e Rádio

Localizada no mesmo prédio do Notícias do Dia, a redação da RIC/Record Joinville também foi visitada pela Chapa 2, onde foi recebida com bastante entusiasmo pelos profissionais. Em seguida, foi a vez da RBS TV, onde os membros da Chapa puderam fazer um pequeno debate sobre a atuação do nosso sindicato e como ela pode melhorar. 
Fechando o roteiro do dia, a Chapa 2 visitou o departamento de Jornalismo da Mais FM, onde recebeu o apoio do jornalista e professor universitário Marco Aurélio Braga, gerente de jornalismo da emissora. 

...RIC/Record...
Mais FM

...Mais FM...
...E RBS TV...


Desespero e tiro no pé

O desespero faz coisas! No afã de buscar mostrar a “representatividade” que supõe ter, a chapa 1 apela para um artifício sem qualquer respaldo nos Estatutos do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina e, além de pedir voto para seus 30 candidatos, pede, irregularmente, votos para delegados sindicais também, “supostamente representantes” de diversos municípios. Aliás, quem mesmo lhes delegou representação? O mais desastroso é que, apressada, a chapa 1 evidencia uma ilegalidade cometida.

Não é lícito enganar, mentir e ludibriar. A possibilidade de criar delegacias sindicais em municípios ou regiões é, sim, estatutária. Mas isto ocorre após a eleição da direção do Sindicato. Ilegal e enganoso é enfiar o nome de um monte de gente que sequer candidato é para tentar conquistar os jornalistas/eleitores. Eis que a referida chapa incluiu em materiais impressos, entre “seus delegados sindicais”, uma colega como “representante” de Brusque, que além de não constar na lista dos 589 jornalistas aptos ao voto na eleição dos dias 25 e 26 de agosto, sequer pode ser votada, por não cumprir os requisitos estatutários necessários.

É a mesma colega que, na assembléia do dia 10 de junho (quando se definiu a eleição por internet e maioria na Comissão Eleitoral para apoiadores da chapa 1), votou IRREGULARMENTE, sem ser sindicalizada! E, por acaso, é a mesma que há alguns dias atrás disparou e-mail pra todo mundo declarando “SEU VOTO” na chapa 1. Será que ela vai "votar IRREGULARMENTE de novo" sem estar na lista de votantes aptos?

Que vergonha. A chapa 1 deu mais um tiro no pé!

Chapa 2 recebe apoio "ao vivo" na Rádio Transamérica

Os integrantes da Chapa 2, Valmor Fritsche (candidato a presidente) e Cristiane Mohr (tesoureira) visitaram o jornalista Aderbal Machado, nesta semana, durante seu programa na Rádio Transamérica, em Balneário Camboriú.

Aderbal participou da atual diretoria do sindicato, que busca a terceira reeleição. Por não concordar com o modo de atuação da atual diretoria, Aderbal pediu para se afastar do cargo no SJSC.  O jornalista, que não se manifestaria nesta eleição, ao saber que haveria uma chapa de oposição, informou-se sobre as propostas e aproveitou a visita para declarar seu apoio.. "Aproveito a visita dos jornalistas, para declarar meu voto, ao vivo (no ar), a Chapa 2” anunciou Aderbal na Rádio.

O apoio de Aderbal  comprova a necessidade de mudanças e de renovação que se encontra o atual Sindicato dos Jornalistas de SC. Os candidatos concederam entrevista à Radio,  e Valmor teve a oportunidade de falar um pouco sobre o nosso programa e também sobre a importância de descentralizarmos o SJSC, estruturando locais para o atendimento do sindicato nas principais regiões do estado. O sindicato tem que estar próximo ao trabalhador.

Carta aberta aos jornalistas egressos do Bom Jesus/Ielusc

Caríssimos/as colegas de profissão,

Nos dias 25 e 26 de agosto haverá eleição para a nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC). O pleito será realizado via internet, acompanhando as modas da era digital. Duas chapas estão na disputa. Como ex-professores e hoje colegas dessa profissão, tão apaixonante quanto arrebatadora, mandamos essa missiva com um singelo objetivo: pedir votos à Chapa 2 – VaMOS Juntos, que representa a oposição.

Liderada pelo jornalista Valmor Fritsche, companheiro que conhecemos desde os anos 1980, quando ele fez o curso na UFSC, a Chapa 2 – VaMOS Juntos representa um desejo de mudança profunda, baseada no resgate da capacidade de mobilização e aglutinação de todos os profissionais do jornalismo de SC, independentemente de suas áreas de atuação.

Para nós, que lutamos há muito tempo por reconhecimento e valorização profissional do jornalismo, em defesa da formação superior, é inadmissível que tenhamos como representante, há seis anos, uma direção que sindicalizou os chamados “precários” (com registro em função da decisão do Supremo Tribunal Federal). As demais entidades, à exceção do SJSC, atenderam a orientação da FENAJ e continuaram negando sindicalização e encaminhando a luta pela aprovação das Propostas de Emenda Constitucional, que resgatam a exigência do diploma para o exercício profissional, que ora tramitam no Senado e na Câmara Federal.

Há algum tempo, tivemos o privilégio e o prazer de dividir experiências pedagógicas com alguns de vocês no curso do Ielusc, em Joinville. Agora estamos pedindo voto na Chapa 2, querendo compartilhar um projeto: “A construção de um Sindicato por, de e para todos e todas! Que seja radicalmente democrático e avance na defesa do jornalismo e da profissão, sem jamais abandonar princípios de solidariedade e companheirismo entre os trabalhadores”.


Gastão Cassel
Jacques Mick
Samuel Lima
Sérgio Murilo de Andrade
Izani Mustafá

Redação do DC recebe candidatos da Chapa 2

Integrantes da Chapa 2 – Vamos Juntos se encontraram com os colegas da redação do Diário Catarinense na tarde de quarta-feira (17/08/2011), em Florianópolis.

Ao lado de Janine Koneski de Abreu (Comissão de Comunicação e Eventos) e Aderbal da Rosa Filho, o Deba (Delegação ao Conselho de Representantes da FENAJ), o candidato a presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Valmor Fritsche, distribuiu o informativo com as principais propostas da oposição e conversou com os jornalistas do DC sobre a necessidade de se restabelecer o diálogo com toda a categoria, hoje desmotivada a participar da sua entidade de representação profissional.

“O contato cotidiano é essencial para fortalecer nossa categoria e permitir que o sindicato volte a ter coragem de enfrentar os reais problemas vividos no mercado de trabalho”, comentou Valmor Fritsche. Para isso, segundo ele, é necessário abrir um canal livre e direto dos jornalistas com o seu sindicato, que permita ao empregado ou trabalhador autônomo sugerir ações, denunciar os abusos e também fazer críticas à entidade se for o caso. “Ao mesmo tempo, o jornalista tem de obter uma resposta rápida e eficiente aos seus questionamentos e um atendimento que solucione ou encaminhe de forma adequada o seu problema”.

A ausência do Sindicato no cotidano das redações ficou fragrante em diversas manifestações. No DC, em 3 editorias repetiu-se a reclamação de que "o Sindicato só aparece na redação em época de eleição", complementadas com frases como "chega, deu pra bola, 6 anos é demais! E ainda querem 9?!" e "Tem que mudar,temos que chacoalhar com o nosso Sindicato". Mostraram-se grandes, também, a desinformação e incerteza de como será o processo eleitoral do SJSC, evidenciando que o sistema de eleição pela internet ampliou a burocracia para que o associado possa participar das definições sobre o destino de seu Sindicato.

Após o encontro no DC, o candidato Valmor Fritsche disse estar satisfeito com as manifestações recebidas dos colegas. Para ele, o chamado corpo-a-corpo com a redação permite mostrar que uma nova maneira de conduzir o sindicato é possível: “Com a Chapa 2 estamos apresentando aos jornalistas uma oportunidade concreta de renovação, que contempla a salutar alternância na direção da entidade, pressuposto básico das práticas democráticas”.

De acordo com o candidato, a visita foi também uma oportunidade de rever amigos, uma vez que Valmor Fritsche trabalhou no DC no início da carreira como diagramador, quando ainda era estudante de jornalismo, e, posteriormente, já formado, como repórter na editoria de economia.

Chapa 2 visita TVBV, BAND e AGECOM/UFSC

 Os jornalistas da TVBV e Band rádio receberam com uma calorosa acolhida a visita dos candidatos Chapa 2 Valmor Fritsche (presidente), Valci Zuculoto (vice) e Janine Koneski de Abreu (Comissão Comunicação e Eventos) na tarde desta terça-feira, dia 17. Mais uma vez, uma das principais expectativas demonstradas foi de que, com a vitória da Chapa 2, o SJSC volte a ser uma entidade da qual os jornalistas sintam vontade e orgulho de participar. 

A maioria se entusiasmou com as propostas do nosso Programa, com destaques para os que pretendem criar, retomar ou fortalecer projetos de integração da categoria e atualização profissional. As proposições de melhoria, garantia e ampliação da comunicação do Sindicato com os jornalistas também foram destacadas como muito importantes, pois assim como em outros veículos visitados, jornalistas da TVBV reclamaram da ausência da direção do SJSC em visitas e contatos diretos com eles nos últimos anos. Alguns inclusive disseram que desistiram de continuar sindicalizados por esta falta de estímulo ou que nem chegaram a se associar porque não se sentiram bem recebidos e orientados quando tentaram.

Na mesma tarde, a Chapa 2 visitou também a AGECOM, a agência de comunicação da UFSC. Participaram da visita Valmor Fritsche (presidente), Valci Zuculoto (vice),  Janine Koneski de Abreu (Comissão Comunicação e Eventos) e Ivan Giacomelli ( suplente Executiva). Lá, novamente sentimos ótima receptividade, com os jornalistas dispostos a discutir e contribuir com as nossas propostas, em mais uma demonstração de que a categoria está carente de um sindicato que a ouça e busque estimular sua participação.

E nós, da Chapa 2, disputamos esta eleição justamente para, junto com a categoria, mudar o Sindicato e esta situação. Como é compromisso expresso no nosso Programa, "defendemos um Sindicato que esteja de fato presente no cotidiano das redações, assessorias e faculdades, em todos locais de trabalho de todas as regiões do Estado e que volte a estimular ações culturais e de integração. Um Sindicato que reconheça o acúmulo positivo do passado, entenda o presente e também tenha foco no futuro, numa busca permanente por alternativas às transformações no mundo do trabalho e na profissão de jornalista".

Jornalistas da assessoria de imprensa da Prefeitura de Blumenau apóiam Chapa 2*

SECOM em Blumenau
Na sua passagem por Blumenau, na última segunda e terça-feiras, dia 15 e 16, os candidatos VAMOS Juntos – Chapa 2  Valmor Fritsche (presidente), Valci Zuculoto (vice) e Cristiane Mohr (tesoureira) visitaram também a assessoria de imprensa da prefeitura de Blumenau. Conversaram um bom tempo com os profissionais daquele local de trabalho. Apresentaram os principais compromissos e propostas da chapa, ouviram sugestões e até pedidos de orientações sobre procedimentos profissionais. Segundo jornalistas da assessoria da prefeitura de Blumenau, também lá a atual direção do sindicato não tem estado tão presente. Por isso, esperando que a Chapa 2 seja eleita para mudar este cenário, prometeram votar “Vamos Juntos”.   

* Os candidatos Chapa 2 viajam pelo Estado em campanha com recursos dos seus próprios bolsos e de doações dos seus apoiadores.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Sindicato no interior? Só em tempo de eleição

Nos últimos seis anos, a diretoria que está aí apareceu em Xanxerê UMA VEZ! Temos aqui uma emissora de TV (Record), três jornais diários, um semanário, quatro emissoras de rádio e um site. Neles, há vários colegas que nunca viram em sua frente UM dirigente sindical. São profissionais recém formados, enfrentam muitas dúvidas e frequentemente têm seus direitos ignorados. Nenhum deles - e com toda a razão, é sindicalizado. Alguns não querem nem ouvir falar em sindicato. Isso é, da atual Diretoria. Nem eu.
Por isso, apoio a chapa 2 e espero que com isso o sindicato volte a estar presente DE VERDADE em todo Estado

Romeu Scirea, jornalista de Xanxerê

Debate de Blumenau mostra que Chapa 2 é a alternativa para mudar e melhorar o SJSC

O debate entre os candidatos à presidência do SJSC, realizado em Blumenau na última segunda à noite, numa exitosa  promoção da Associação de Imprensa do Médio Vale do Itajaí em parceria com o curso de jornalismo da Faculdade Ibes/Sociesc, demonstrou que a Chapa 2 tem propostas avançadas, claras e principalmente democráticas para mudar o Sindicato, para fazer uma gestão diferenciada, bem mais próxima e conhecedora da verdadeira realidade da profissão em Santa Catarina e, em especial, com capacidade de agregar e valorizar todos os jornalistas catarinenses.

Mesmo sob agressividade e provocações por parte do representante da outra chapa, o candidato a presidente da Chapa 2, Valmor Fritsche,manteve a calma e respondeu a todas as questões colocadas, informando que nosso Programa tem proposições para “unir e resgatar a categoria em torno do Sindicato”. Valmor destacou que a “VAMOS JUNTOS” é uma chapa composta por jornalistas experientes na gestão sindical, mas principalmente por profissionais novos no movimento, pois a entidade necessita de renovação para estimular a categoria a participar do sindicalismo, a trazer novas idéias e percepções ao Sindicato. “Precisamos de uma entidade mais agregadora”, afirmou ao contar que nas suas visitas aos diversos locais de trabalho, nas suas conversas com os jornalistas, tem detectado uma “sensação de abandono” da categoria pela atual direção.

Respondendo sobre a necessidade de convênios para uma melhor prestação de serviços da entidade, Valmor informou da disposição e planos da Chapa 2 de ampliar as iniciativas do Sindicato neste sentido, agregando muito mais convênios e parcerias, em todas as áreas como saúde e previdência ( onde, aliás, até hoje a atual direção vem boicotando o FENAJPrev).

À uma pergunta sobre como trataremos a questão  estágio, respondeu que vamos, juntos, seguir as orientações e deliberações nacionais da categoria para realização de estágios que efetivamente não representem exploração dos estudantes como mão de obra barata, com supervisão pedagógica. Enfim, que o estágio seja mesmo complementação da formação e que, no Sindicato, a Chapa 2 vai contribuir com as discussões nacionais para melhorá-lo.

Na questão sobre a luta pela volta do diploma, lembrou que é a Chapa 2 que mais tem se empenhado em Santa Catarina, pressionando os parlamentares, pela aprovação das PECs no Congresso. Citou Sérgio Murillo e Deba entre os candidatos da Chapa 2  que realmente vêm contribuindo na batalha nacional pelas PECs. E afirmou que eleitos, continuaremos firmes nesta grande batalha para a valorização da profissão.

Ao contrário do candidato da outra chapa, que não entendeu o questionamento colocado para debate,  Valmor Fritsche ainda demonstrou a preocupação com a qualidade da formação e atualização profissional do jornalista, informando que a Chapa 2 tem, sim, propostas para iniciativas e avanços nesta questão, inclusive estimulando e auxiliando os profissionais que querem fazer uma pós e se capacitarem para lecionar jornalismo.

Na questão sobre piso diferenciado para assessores de imprensa, Valmor Fritsche mais uma vez demonstrou que está sintonizado com a realidade da categoria em Santa Catarina. Disse que precisamos de piso digno para todos os segmentos, que a questão deve ser discutida e avaliada em conjunto com toda a categoria, com seus anseios e necessidades. Devemos lutar para que os jornalistas catarinenses voltem a ter um dos maiores pisos do país, sem criar divisões que provoquem desunião e desvalorização entre jornalistas de redação e jornalistas de assessoria.

Já o candidato da outra chapa, em vez de propostas claras, na maior parte do debate usou suas respostas para agredir e provocar, não apenas Valmor Fritsche, mas até outros colegas da Chapa 2 e inclusive jornalistas que enviaram perguntas para o debate. Valmor Fritsche chamou a atenção de Lunge, advertindo-o que esta não pode ser a postura de um presidente de Sindicato. Também alertou que Lunge ignora boa parte dos problemas dos jornalistas catarinenses, já que está afastado do dia a dia da profissão há seis anos e ainda predente ficar mais três.

O candidato da outra chapa revoltou-se inclusive contra um dos autores de perguntas ao responder à questão do jornalista Celso Rosa, de Blumenau, sobre reclamações dos profissionais da região que se sentem “desamparados” pelo Sindicato. Acusou-o de ser tendencioso e ter encaminhado a questão apenas porque é simpatizante da Chapa 2. Terminado o debate, Celso Rosa solicitou uma explicação de Lunge, mas ele saiu sem esclarecer sua atitude. Já o candidato Chapa 2 Valmor Fritsche recebeu elogios de diversos presentes pela sua postura calma e democrática em contraposição à “arrogância”, “agressividade” e “destempero” do outro candidato. Uma destas declarações está no blog da jornalista Dany Fuchs http://desabaphosetal.blogspot.com/ Após o debate, Valmor Fritsche e os candidatos Chapa 2 que o acompanhavam foram confraternizar com apoiadores.

A mentira tem pernas curtas

Tem gente por aí que não perde a mania de tapar o sol com a peneira, maquiar a realidade e entoar aleivosias. Com um atraso de dois meses, morderam a isca e deram demonstração de pouca inteligência ao tentarem responder, em um boletim da chapa da situação ao Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, à crítica sobre a realidade do piso salarial dos jornalistas em nosso estado, que, de fato, é um dos piores do Brasil.

Noves fora a grosseria da resposta, os malabarismos para tentar se defender são risíveis. Escoram-se nas diferenciações entre Acordo e Convenção Coletiva de Trabalho e nas diferentes realidades do movimento sindical dos jornalistas no país para evitar comparativos. Sustentam-se em uma lógica, no mínimo, questionável: o piso é baixo, mas tem outros piores. E manipulam informações para tentar dar veracidade às suas conclusões equivocadas.

A indicação para a leitura de dados sobre pisos salariais dos jornalistas em vários estados constante no site da FENAJ (clique aqui) é elogiável. Deplorável é não explicar as nuances, não esclarecer que em vários estados há datas bases diferentes e processos negociais em curso e que em muitos deles haverá alterações de valores nas próximas semanas. Igualmente falho é não dizer que mesmo onde já foram fechados acordos há pendências em textos e, portanto, na necessária homologação dos mesmos junto ao MTE ou à Justiça do Trabalho.

Lembremos que o piso em SC, a partir de 1º de maio de 2011, é de R$ 1.395,68. E destaquemos “pequenos detalhes” não informados no boletim da chapa de situação sobre pisos, só para registrar alguns exemplos: Alagoas (data base maio), R$ 2.324,05; DF (data base abril), R$ 1.800,00 para mídia impressa e R$ 1.620,00 para Mídia Eletrônica; Ceará, Rádio e TV com data base em janeiro, R$ 1.641,05; Pará, com data base em maio (o menor piso é da classe A), R$ 1.588,92; Acre (data base em maio), R$ 1.573,00. Também a título de informação, cumpre registrar os pisos nos outros dois estados do Sul: Paraná – retroativo a outubro de 2010), R$ 2.151,56; Rio Grande do Sul (data base em junho), Porto Alegre R$ 1.591,00 e demais municípios, R$ 1.333,00. É recomendável, também, a leitura de todo o conteúdo de cada Acordo ou Convenção Coletiva, para análises mais conclusivas.

Igualmente equivocado (ou distorcido?) é utilizar dados do Dieese sem contextualizar as conjunturas atual e passadas que envolveram as campanhas salariais não só dos jornalistas, como de diversas categorias de trabalhadores no país. Mesmo porque o Dieese, desde 1987, sempre assessorou as campanhas salariais dos jornalistas catarinenses. E pra que não restem dúvidas de que aumento real não é mérito da atual diretoria do SJSC, mas tendência conjuntural nas negociações salariais, eis uma informação do G1 esclarecedora: “De acordo com o levantamento do Dieese, 94% dos pisos foram aumentados em percentuais superiores ao INPC no ano passado. Os reajustes iguais ao índice representaram 2% e, os inferiores, 4%”. Tal tendência se mantém em 2011.

O que os detratores da crítica ao baixo piso salarial dos jornalistas catarinenses tentam esconder, me parece, é sua incapacidade de envolver e unificar a categoria ao longo das últimas gestões. Ganha um doce quem lembrar da última grande mobilização em campanhas salariais dos jornalistas em SC.

A mentira tem pernas curtas. Chega de monarquia no SJSC: 3 é normal, 6 basta, 9 é abuso!

Aderbal Filho, jornalista

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Chapa 2, a mais motivada para unir os jornalistas de SC

Tenho amigos e vejo gente valiosa em ambas as chapas, e sinceramente preferia ver a categoria unida nesta hora em que está tão enfraquecida em todas as frentes. Mas por isso mesmo vou dar o meu voto à Chapa 2, que me parece a mais motivada a unir os jornalistas em torno de suas causas fundamentais, e acima de suas diferenças partidárias e ideológicas. Todos temos o direito de nos equivocar, mas os equívocos continuados são mais difíceis de reparar.

Eduardo Meditsch, professor de Jornalismo da UFSC

Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2

Chapa 2 visita o “Santa”, em Blumenau, e ouve reclamações sobre a ausência do Sindicato nos últimos seis anos*

Cris, Valci e Valmor na redação do Santa, em Blumenau
Na tarde de segunda-feira, dia 15, a redação do Jornal de Santa Catarina, em Blumenau, recebeu a visita da Chapa 2 e uma das principais reclamações dos jornalistas que lá trabalham foi quanto à ausência da atual direção do SJSC  naquele veículo. Conforme as reclamações, nos últimos anos quase não houve contatos do Sindicato diretamente com eles, para saber das suas necessidades, e as visitas à redação têm sido raras, “talvez apenas duas”, somente em períodos eleitorais.  Os candidatos VAMOS Juntos – Chapa 2  Valmor Fritsche ( presidente), Valci Zuculoto (vice) e Cristiane Mohr (tesoureira) conversaram com cada um dos jornalistas e ficaram surpresos porque nem mesmo o representante da outra chapa naquele jornal sabia que estava encerrando o prazo para a confirmação dos dados dos aptos ao voto. A maioria dos jornalistas do “Santa” recebeu com interesse o material da Chapa 2 contendo as propostas para mudar o Sindicato, foi bastante receptiva e demonstrou satisfação em estar recebendo a visita.    
O candidato a presidente Valmor Fritsche agradeceu a acolhida e ressaltou que são de Blumenau os quatro candidatos do Vale do Itajaí na Chapa 2: Danúbia de Souza (suplente da Executiva), Irene Huscher (Conselho Fiscal), Lourdes Sedlacek ( Conselho Representantes FENAJ) e Alexandre Gonçalves ( suplente do Conselho Fiscal).
Valmor  despediu-se com a sensação de que os jornalistas do Santa “estão conscientes de que é preciso mudar a direção do Sindicato e vão junto com a 2”. Por isso, prometeu aos nossos apoiadores naquele jornal uma nova visita em breve, assim que a Chapa 2 for eleita.

 * Os candidatos Chapa 2 viajam pelo Estado em campanha com recursos dos seus próprios bolsos e de doações dos seus apoiadores.

Jornalistas da RIC Itajaí recebem Chapa 2 e se entusiasmam com possibilidade de mudar o Sindicato*

Candidatos da chapa 2 na RIC em Itajaí
Os candidatos VAMOS Juntos – Chapa 2 Valmor Fritsche ( presidente), Valci Zuculoto (vice) e Cristiane Mohr (tesoureira) visitaram os jornalistas da RIC Record Itajaí no início da tarde desta segunda, dia 15, e conheceram mais um pouco a realidade cotidiana da categoria no Vale. 

Lá conversaram e ouviram não apenas os aptos ao voto deste município, mas também com todos demais profissionais que trabalham naquela empresa, inclusive com os que não conseguiram ou nem foram avisados pela atual direção do SJSC sobre como se colocarem em condições de participar do processo eleitoral. E uma das reclamações ouvidas pela Chapa 2 naquele local de trabalho foi justamente quanto à falta de comunicação e orientação da atual diretoria do Sindicato aos jornalistas da RIC Itajaí, não somente em relação às eleições como quanto aos procedimentos para participarem e serem atendidos pelo Sindicato. E ao receberem mais informações sobre as propostas da Chapa 2, os profissionais da RIC Itajaí se entusiasmaram ainda mais com a perspectiva de mudar o SJSC votando na VAMOS JUNTOS. Também se disseram satisfeitos pelo fato de a região contar com quatro representantes na Chapa 2: Danúbia de Souza, da RIC Record de Blumenau (suplente da Executiva), Irene Huscher, assessora de imprensa (Conselho Fiscal), Lourdes Sedlacek, assessora de imprensa ( conselheira junto à FENAJ) e Alexandre Gonçalves, também da RIC ( suplente do Conselho Fiscal). 

Os candidatos Chapa 2 pelo Vale do Itajaí têm representatividade e são profundos conhecedores e batalhadores pela valorização do jornalismo e dos jornalistas na região.

* Os candidatos Chapa 2 viajam pelo Estado em campanha com recursos dos seus próprios bolsos e de doações dos seus apoiadores.

Chapa 2, de oposição, recomenda à chapa 1 as sandálias da humildade

Não se sabe a razão de tanta agressividade e deboche. No debate desta segunda-feira (15), em Blumenau, o comportamento dos representantes da chapa que pretende um TERCEIRO mandato para o mesmo presidente surpreendeu a todos presentes. Se estão tão seguros que fizeram nos últimos SEIS anos dois bons mandatos e por isso pretendem permitir ao presidente ficar no cargo NOVE anos, se estão tão bem informados sobre tudo e sobre todos, por que tanto destempero?

Estão acusando, na internet, nosso candidato, Valmor Fritsche, de não saber que o estágio foi decidido no Congresso de Ouro Preto, em 2004. Se era pra ser preciso, aliás, deveriam ter dito que não foi em Minas, mas em Vila Velha (ES), em 1997, que o estágio voltou a ser defendido pela Fenaj, dentro do programa de qualidade do ensino de jornalismo. Mas afinal, o que isso importa? Por que tanta preocupação em relação à data da aprovação do estágio, justamente da parte de um candidato que tem boicotado diversos projetos de estágio em Santa Catarina e, em contrapartida, preside há SEIS anos o ÚNICO Sindicato do Brasil a associar jornalistas sem o devido registro profissional no Ministério do Trabalho?

Valmor Fritsche, no debate promovido pela Associação de Impressa do Médio Vale do Itajaí, no auditório do Curso de Jornalismo do IBES, demonstrou respeito aos presentes, inclusive aos adversários, que não são INIMIGOS, e admitiu que tem muito para aprender. Foi acusado, pelo presidente que pretende ficar no cargo NOVE anos, de não estar presente nas poucas atividades desenvolvidas pela SJSC na cidade. Pudera! Valmor não é profissional do sindicalismo e como a imensa maioria da categoria tem que ralar para sobreviver. Isso não significa alienação ou desconsideração pela pauta do movimento sindical dos jornalistas brasileiros.

O candidato a presidente da Chapa VaMOS Juntos, Valmor Fritsche, é uma novidade positiva nesta campanha. Tem conhecimento da profissão e disposição para o trabalho. É cordial no tratamento pessoal, firme nos princípios éticos e tem credibilidade entre os colegas. A exigência de um nível de informação de importância relativa esconde, na verdade, o interesse de que nada mude, pra tudo continuar do jeito que está.

Inspirado, o candidato a presidente da Chapa de Oposição, lembrou ao atual presidente que não cabe a quem ocupa este cargo de representante da categoria atacar de forma preconceituosa os colegas de profissão, como vem fazendo sistematicamente a chapa da situação, incluindo ele. Valmor disse também acreditar na vitória, que a alternância é o pilar da democracia e que será bastante “proveitoso” ao atual presidente, depois de um longo período de afastamento, retornar ao mercado de trabalho.

Sérgio Murillo de Andrade, jornalista que também tem muito que aprender.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Festa da chapa 2 mobiliza jornalistas em Florianópolis

Quase uma centena de pessoas, entre jornalistas e apoiadores, lotou o Bar Roma, no Centro de Florianópolis, no último sábado, 13 de agosto, para “espantar a zica” e comemorar o sucesso da campanha da Chapa 2.

O candidato a presidente pela chapa de oposição, Valmor Fritsche, que havia chegado de roteiro pelo Oeste, falou da empolgação que vem sentido dos colegas jornalistas em todos os lugares por onde passa:

- Nossa campanha está mobilizando cada vez mais gente e essa festa de hoje é mais demonstração disso. É muito bom ver e sentir que as pessoas estão retomando o sentimento de que o sindicato precisa voltar a ser de todos os jornalistas. Voltar a ser um sindicato que lute pelos jornalistas e esteja presente em todas as grandes lutas da categoria e da sociedade. Vamos vencer porque estamos fazendo uma campanha limpa, alegre, democrática, mostrando a necessidade de renovação no SJSC e as reais diferenças entre as duas chapas que disputam essa eleição.

A festa serviu para arrecadar fundos para a campanha da chapa 2, que é financiada exclusivamente por essas atividades e por apoiadores que acreditam que novos ventos precisam soprar dentro do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Valmor destacou a presença da colega Lilian Simioni, de Chapecó, agradeceu o apoio da direção e funcionários do Bar Roma e destacou também a colaboração dos músicos Pantera e Jackson.



Confira mais fotos do almoço de confraternização no Facebook das jornalistas Linete Martins e Cristiane Mohr, integrantes da Chapa 2.

sábado, 13 de agosto de 2011

VaMOS Juntos: Chapa 2 recebe apoios no Oeste

O candidato a presidente do SJSC pela Chapa 2, Valmor Fritsche, acompanhado da forte representação de profissionais da região na formação da chapa de oposição, que inclui os colegas Vagner Dalbosco, Veruska Tasca, Sirliane Freitas e Lilian Simioni, percorreu nos dias 11 e 12 redações de rádios, jornais e tevês, assessorias de imprensa, agências e universidades do Oeste, passando por várias cidades, como Concórdia, Seara e Chapecó.

A recepção às propostas da Chapa 2 foi a melhor possível. “A região do Grande Oeste tem um conjunto de jornalistas que vêm conquistando um espaço de destaque no cenário catarinense”, observa Fritsche. “Temos colegas com trajetórias históricas, que marcam o jornalismo da região, e, ao mesmo tempo, cursos de jornalismo como na Unochapecó, em Chapecó, na Unoesc, em São Miguel do Oeste, na Celer, em Xaxim, e na UnC, em Concórdia, assim como no Meio Oeste, em Joaçaba e Caçador, responsáveis pela formação de novas safras de jornalistas”, destacou. Para ele, o SJSC precisa estar em sintonia com esta realidade e atuar em parceria com os profissionais, percebendo as demandas locais e reafirmando as lutas coletivas.

É expressivo o número de jornalistas que se manifestam favoráveis à renovação. A principal queixa dos colegas do Oeste é a ausência do Sindicato na região e o sentimento de total abandono. Na avaliação dos candidatos da Chapa 2, não é admissível, por exemplo, que cidades representativas como São Miguel do Oeste e Xanxerê, dotadas de universidade, emissoras de rádio, tevê e jornais, com tantos profissionais atuando, tenham cada uma apenas um jornalista apto a votar nesta eleição, ou seja, um completo afastamento dos profissionais em relação ao Sindicato.

Uma das principais reivindicações dos jornalistas do Oeste é a implantação de uma estrutura física na região (que pode ser em parceria com outro Sindicato), para que os profissionais desta grande região, distante de Florianópolis, tenham uma referência no seu cotidiano, facilitando o encaminhamento de solicitações e a interação com o órgão representativo da categoria. Além disso, reivindicam um Sindicato mais presente, não apenas no que se refere a questões salariais, mas na promoção de eventos, debates e cursos de qualificação. Fritsche destacou aos colegas que entre as propostas da Chapa 2 está a de descentralizar as ações e as decisões do Sindicato, fazendo com que todas as regiões realmente participem e tenham força e voz na entidade. “Nos últimos anos, por conta do seu descrédito junto à categoria, o SJSC vem encolhendo continuamente e cada vez mais colegas estão deixando de participar do movimento sindical”, aponta o candidato da oposição. “Com uma atuação democrática, agregadora, pluralista e sem discriminações, vamos reverter esta tendência e fazer um novo sindicato”, enfatizou.

Uma confraternização que reuniu, em Chapecó, membros da Chapa 2 e apoiadores, encerrou o roteiro do candidato a presidente pelo Oeste. A campanha segue fortalecida na região com os candidatos e, cada vez mais, com apoios e adesões.

Confira o álbum de fotos da campanha em Chapecó, Seara e Concórdia.

“Desejo firmemente a vitória dos colegas da Chapa 2”

Caros colegas,

Foi com muito entusiasmo que vi, daqui de longe, a criação de um movimento de oposição à atual direção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Não apenas porque o embate é salutar. Não apenas porque a mudança é um motor fundamental da história. Mas principalmente porque acredito no trabalho dos companheiros que compõe essa frente de oposição. Com vários trabalhei ou estudei aí em Santa Catarina, e por isso conheço e apoio o perfil que se forma nessa união. União de luta, de mudanças frente a algo que pode ser muito melhor, mas aberto, menos centralizado. Acredito e desejo firmemente a vitória dos colegas da Chapa 2 - Vamos Juntos - Movimento de Oposição Sindical. Brava galera, força nesse embate.

Silvio da Costa Pereira, jornalista, professor da UFMS e ex-assessor de imprensa do SJSC

Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Parabéns Guerreiros da chapa 2

Olá, Companheiros!
É com muita alegria que gostaria de parabenizar os AMIGOS pela iniciativa e criação da CHAPA 2 - Vamos Juntos. A todos vocês que comigo trabalharam, direta ou indiretamente, com dignidade, respeito e seriedade, quero manifestar todo o meu apoio no pleito de retomada da Direção do Sindicato dos Jornalistas. É dignificante ver companheiros de tantas lutas e conquistas juntos nessa batalha. Tenho certeza que os jornalistas de Santa Catarina ganharão muito com a vitória de vocês. Parabéns, guerreiros!!!!!

Luciana Fernandes Simas, funcionária do SJSC de 1993 a 2008

Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2

Eu apoio a CHAPA 2

Eu apoio a CHAPA 2, seus integrantes são profissionais éticos e preocupados com a formação humanista e de qualidade. Com eles na direção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina teremos a garantia de garra e disposição na luta pela volta do diploma em jornalismo. Uma luta dos jornalistas brasileiros. VAMOS JUNTOS.

Carmen Pereira, jornalista e professora de jornalismo/RJ, diretora de Educação da FENAJ

Leia mais depoimentos de apoio à Chapa 2

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Chapa 2 faz corpo-a-corpo em Florianópolis

O candidato a presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina pela Chapa 2, Valmor Fritsche, percorreu, na última quarta-feira, vários espaços de atuação de jornalistas em Florianópolis, acompanhado de candidatos e apoiadores do MÓS. A primeira visita foi feita à ACI (Associação Catarinense de Imprensa). “Foi uma visita de cortesia a fim de agradecer o empréstimo do auditório para realizarmos a Convenção do MÓS e o Planejamento da Campanha da Chapa 2”, diz, Valmor, contando que aproveitou para defender um trabalho conjunto e cooperado das duas entidade em prol da categoria. “Fomos recebidos pelo presidente, Ademir Arnon, que nos desejou boa sorte na campanha e comentou que a presença da oposição é importante para mobilizar e permitir o debate de propostas”, destaca o candidato a presidente da Chapa “VAMOS JUNTOS”.



Em seguida, representantes da chapa 2 visitaram a empresa de assessoria Palavra, onde foi discutida a situação dos jornalistas que trabalham em assessorias e agências. “Assumimos o compromisso de discutir salário e condições de trabalho dos colegas, mas de forma democrática, sem imposições e assegurando o diálogo com os jornalistas que administram essas empresas”, afirma Valmor Fritsche.

Assim como nas visitas anteriores, a equipe da Chapa 2 foi muito bem recebida pelos jornalistas e estagiários da Alesc (Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina), que pararam seus trabalhos por alguns minutos, recebendo o informativo com a apresentação dos candidatos e o programa da chapa. Valmor e toda a equipe colocaram-se à disposição para esclarecer dúvidas e receber propostas que possam melhorar ainda mais os compromissos de trabalho da Chapa 2. O mesmo ocorreu na Prefeitura Municipal de Florianópolis, onde também houve manifestação de apoio à Chapa 2.